Fiscalizar é preciso!

Novo ano, novos nomes na área de Transportes no governo e novos desafios. Como vocês sabem, venho há 6 anos travando uma luta contra a desordem generalizada das empresas de aplicativos de transporte individual privado. Desde que esse processo predatório e sem regras se instalou na capital paulista, venho buscando apontar seus problemas e encontrar soluções junto aos governantes.

E é por isso que, em 2021, já começo a buscar diálogo para que possamos realizar uma fiscalização das leis de trânsito, das irregularidades cometidas (e dos pontos que não há liminares judiciais propostos pela regulamentação) em vários pontos da cidade onde a atuação de carros particulares de apps é mais intensa, como terminais, estações, shoppings e centros comerciais em atuação conjunta entre vários órgãos de fiscalização (PM, GCM, CET, SPTrans, DTP).

Ano passado, em razão das restrições da pandemia e do fechamento do DTP, esse processo foi prejudicado. Mas esse ano, desde minhas primeiras reuniões com a cúpula da área de Transportes, já comecei a cobrar um *mutirão da fiscalização*.

Como sempre destaquei, uma fiscalização mais intensa ajuda a iniciar um processo de isonomia e finalmente colocar ordem na bagunça que se instalou nas ruas da capital paulista. Além, é claro, de levar em conta a segurança do usuário. Este é mais um passo em busca de uma concorrência justa, mas a luta não acaba aqui.

Desde o começo desta nova gestão irei buscar o diálogo para que tenhamos uma concorrência mais justa com relação aos aplicativos predatórios em nossa cidade. Assumi posições, cedi o quanto pude em meu trabalho como parlamentar na Câmara e busquei estreitar relações apenas com um único intuito e objetivo – defender a categoria taxista que aprendi a respeitar e amar. Esta foi uma posição inegociável que tive comigo mesmo e que adotei como postura em minha vida pública nestes últimos cinco anos.

assessoria

Deixe uma resposta